Publicado em 11/01/2018 18h08

FCStone eleva no Brasil estimativa para soja e reduz previsão para milho

A produtividade da safra de soja passou de 3,08 toneladas por hectare, para 3,15 toneladas por hectare; já a produção do milho reduziu para 63,22 milhões de toneladas

A consultoria INTL FCStone aumentou sua estimativa para a produção de soja em 2017/18 no Brasil em sua revisão de janeiro para 110,1 milhões de toneladas, ante 107,6 milhões de toneladas estimadas em dezembro passado.

Novamente, o aumento foi atribuído a revisões em números de produtividade, enquanto a área plantada foi mantida. "Atualmente as condições das lavouras estão muito favoráveis e o clima está contribuindo para a perspectiva positiva", diz, em nota, a analista de Mercado do grupo, Ana Luiza Lodi.

A produtividade da safra passou de 3,08 toneladas por hectare, para 3,15 toneladas por hectare. A área plantada foi mantida em 34,981 milhões de hectares. A consultoria afirma que o clima deve continuar monitorado de perto, enquanto as lavouras passam pela fase de enchimento de grão. "Em Estados onde o plantio ocorre mais tarde, o clima em fevereiro também será determinante", diz.

Mesmo com o aumento da estimativa de produção, as exportações de soja não devem ser tão elevadas, com uma disponibilidade menor da oleaginosa, diz a consultoria. "Como o consumo interno tende a crescer, destacando o aumento da mistura de biodiesel no diesel para 10%, os estoques finais devem ficar abaixo de 2 milhões de toneladas". As exportações devem chegar a 62,50 milhões de toneladas e a demanda doméstica a 48 milhões de toneladas. O estoque final da safra 2017/18 está previsto em 1,97 milhão de toneladas.

Milho

Sobre a segunda safra de milho no País no ciclo 2017/18, a consultoria reduziu a produção para 63,22 milhões de toneladas, ante 63,45 milhões de toneladas, por causa da leve queda na área plantada do Paraná. "Com os atrasos no plantio da soja, a janela de plantio da safrinha deve ficar mais restrita, com parte da cultura sendo semeada fora do período ideal", diz. A consultoria ressalta que quanto mais tarde a segunda safra é semeada, maior é o risco climático a que ela está sujeita.

Para a safra de verão de milho, a primeira, a FCStone não trouxe mudança em relação às projeções divulgadas em dezembro. A produção foi mantida em 23,4 milhões de toneladas.

Autoria: Estadão Conteúdo

  • Link:

Comente essa notícia

Agenda de Eventos
Publicidade

A Agroin Comunicação não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos. Todos os direitos reservados © Copyright 2014