Publicado em 08/01/2019 18h10

Chuvas foram insuficiente para normalizar déficit hídrico no Paraná

Último fim de semana foi chuvoso, mas potencial de produção do grão ainda está ameaçado, de acordo com governo do Estado

Voltou a chover em áreas de produção de grãos do Paraná no fim de semana, mas o déficit hídrico ainda ameaça o potencial produtivo das lavouras e atrasa o plantio de segunda safra, segundo reportou o Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Agricultura. "As chuvas beneficiam o desenvolvimento das lavouras em geral, mas, infelizmente, o período de estiagem e as altas temperaturas nos meses de novembro e dezembro diminuíram o potencial produtivo principalmente das culturas de verão. O porcentual de perdas está sendo levantado", informa o escritório regional de Apucarana.

No município, a soja encontra-se em floração e frutificação e o milho em frutificação.Na região de Cascavel, onde a chuva no sábado e no domingo foi isolada - atingiu apenas seis dos 28 municípios que compreendem o núcleo regional - a falta de umidade retarda o plantio do milho segunda safra. "A cultura do feijão já esta com 75% da área colhida, com produtividade de 2.200 quilos por hectare. No milho primeira safra, o comprometimento é bem menor com relação a cultura da soja", diz a regional, sem dar mais detalhes.

Em Umuarama, de acordo com a regional, o município de Tuneiras do Oeste, onde se produz soja, foi o único a registrar volume de chuva significativo. "Nos outros municípios em que temos produção da oleaginosa as chuvas foram muito fracas, com média de 5 milímetros. A esperança dos produtores era de que uma chuva generalizada pudesse interromper as perdas nas lavouras mais novas." Para os próximos dias, a meteorologia, conforme o relatório do Deral, aponta chance de chuva fraca.

Autoria: Estadão Conteúdo

  • Link:

Comente essa notícia

Publicidade

A Agroin Comunicação não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos. Todos os direitos reservados © Copyright 2014