Publicidade
Publicado em 12/04/2024 20h20

Apostando na diversificação de culturas, Mato Grosso do Sul deverá quadruplicar área de citricultura

A citricultura que hoje conta com cerca de 2 mil hectares cultivados em Mato Grosso do Sul deverá saltar para 10.300 hectares nos próximos anos.
Por: Rosana Siqueira

A citricultura que hoje conta com cerca de 2 mil hectares cultivados em Mato Grosso do Sul deverá saltar para 10.300 hectares nos próximos anos, com as ações do Governo do Estado para expandir a atividade no Estado, promovendo a diversificação de culturas. A meta foi reforçada hoje (12) durante reunião na governadoria para assinatura de um termo de acordo entre o Governo do Estado por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (Semadesc), da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (AGRAER), da Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro) e do Fundo de Defesa da Citricultura (FUNDECITRUS).

O termo foi assinado entre o governador do Estado, Eduardo Riedel, o secretário da Semadesc, Jaime Verruck ,o representante da Fundecitrus, Guilherme Rodriguez, o diretor-presidente da Agraer Washington Willeman e o vice-diretor da Iagro, Cristiano Moreira.. O encontro ainda contou com a presença de empresários da citricultura que estão investindo em MS, como a Cutrale (Sidrolândia e Terenos), o grupo AgroTerenas (Bataguassu), Grupo Junqueira Rodas (Paranaíba e Naviraí), e um produtor tradicional de laranjas de mesa de Três Lagoas.

O acordo prevê a cooperação técnica, científica e de mobilidade entre as instituições visando o desenvolvimento e execução de programas e projetos e o intercâmbio de informações, dados técnicos, experiências, pesquisas e o estabelecimento de mecanismos para sua realização, que visem o desenvolvimento da Citricultura no Estado, de forma sustentável e economicamente viável.

De acordo com o titular da Semadesc, Jaime Verruck, há um ano o Governo do Estado iniciou as tratativas com ações para atrair os investidores. “Nossa ideia assim como a e captação de indústria, foi a de buscar neste momento a base produtiva da citricultura no MS por entendermos que temos grandes potencialidades. Além do clima, solo e áreas disponíveis, notamos em especial a migração de produção de laranjas de São Paulo para MS em função da doença do “greening”. Por isso iniciamos ano passado os contatos com o setor, tivemos as primeiros reuniões e a partir de lá as coisas avançaram”, destacou.

Segundo ele, com a assinatura do termo de cooperação, mais um passo foi dado para a operacionalização do processo. “Agora com este termo de acordo a ideia é absorver o know-how com a Fundecitrus, para a execução de projetos para desenvolver a cadeia no Estado”, acrescentou.

Durante o encontro, empresários que já estão investindo no Estado e iniciando projetos também falaram de suas perspectivas. Recentemente o Grupo Cutrale anunciou investimento no valor de R$ 500 milhões no plantio de 5 mil hectares de laranja na Fazenda Aracoara, propriedade localizada às margens da rodovia BR-060, na divisa de Sidrolândia com Campo Grande.

De acordo com a Cutrale, (conglomerado de empresas que lidera as exportações brasileiras de laranja), serão 5 mil hectares irrigados com o plantio de 1.730 milhão de pés de laranja, considerando a média de 346 pés de laranja.

A previsão, segundo o diretor agrícola da Cutrale, Valdir Guessi, é iniciar o projeto ainda em agosto. Serão 30 mil hectares plantados, garantindo o nível de produção que viabilizaria a instalação de uma futura indústria de processamento da laranja em suco.