Publicado em 31/03/2021 21h11

Argentino paga 2/3 do que ganha em imposto no trigo

A participação do Estado se apresenta em diferentes níveis e com diferentes tipos de parceria

`

A Fundação Agropecuária para o Desenvolvimento da Argentina ( FADA ) divulgou seu índice trimestral e indicou que de cada $ 100 de renda que um produtor agrícola gera por hectare, $ 62,60 é o que ele paga de impostos. O índice de março é 3,4 pontos percentuais superior ao de dezembro. 

“Isso se explica por vários fatores: aumentos nos impostos fixos municipais e provinciais; aumento dos custos em pesos e em dólares de mão de obra e frete; aumentos de preços de fertilizantes; queda no preço disponível do trigo; e redução dos rendimentos estimados devido ao efeito da seca ”, explica David Miazzo, economista-chefe da FADA. 

O relatório realiza a medição nacional por meio da média ponderada das safras , que indica que o Estado detém 62,6% da receita agrícola. Também analisa cada safra, concluindo os percentuais da seguinte forma: Soja 66,9%; Milho 52,3%; Trigo 70,9%; Girassol 46,6%. 

A participação do Estado se apresenta em diferentes níveis e com diferentes tipos de parceria: os impostos não nacionais coparticipáveis representam 66,8% do total enfrentado por um hectare agrícola na Argentina. Estes são principalmente os direitos de exportação e o imposto sobre créditos e débitos bancários. Os impostos nacionais coparticipáveis são 27,5% das taxas medidas. Aqui temos os saldos do imposto de renda e do IVA técnico. 

As províncias recebem parte desses 27,5% em coparticipação, e também têm seus próprios impostos. Assim, o que as províncias arrecadam é 5% do total das despesas. Por fim, os impostos municipais representam 0,6%. O componente central são as taxas rodoviárias ou as guias de cereais, de acordo com a província. 

Autoria: Leonardo Gottems

  • Link:

Comente essa notícia

Publicidade
A Agroin Comunicação não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos. Todos os direitos reservados © Copyright 2019.