Publicado em 07/06/2021 09h49

Contra a pirataria: Brasil amplia mercado de sementes forrageiras com certificação e rastreabilidade segura

Com a adesão de novas empresas, o Programa Semente Legal aumenta em 50% a oferta de sementes forrageiras com certificação de origem, monitoramento do processo produtivo, verificação da qualidade e rastreabilidade segura; O mercado ilegal de sementes piratas, ainda comum no país, gera prejuízos bilionários de aproximadamente R$ 2,5 bilhões ao setor

`

sementes

O Brasil deu mais um passo importante à sustentabilidade no campo nesta quarta-feira (02/06), com a adesão de novas empresas ao programa Semente Legal. Desta vez, foi o Grupo Era, que representa as marcas Ponto Alto e Nova Safra, em parceria com a empresa Ceptis Agro, que lançou a Safra 2021 - 100% atestada pelo Semente Legal. Com isso, a empresa, que passa a ser pioneira a atestar 100% de sua safra de sementes, também representa um aumento imediato de 50% na oferta de sementes forrageiras com rastreabilidade segura no país.

A iniciativa tem por objetivo reduzir a comercialização de sementes forrageiras piratas e aumentar os padrões de qualidade do produto no Brasil, que é hoje um dos líderes mundiais no mercado de produtos agrícolas, segundo a Embrapa, movimentando 26,4% do PIB brasileiro. Porém, o mercado ilegal de sementes piratas, ainda comum no país, gera prejuízos bilionários, de aproximadamente R$ 2,5 bilhões ao setor, e ao consumidor final que adquire produtos de origem e qualidade duvidosas.

O programa Semente Legal, desenvolvido pela Ceptis Agro, atesta a produção de forma ampla: realiza a certificação de origem, o monitoramento do processo produtivo, a verificação de qualidade e a rastreabilidade segura dos grãos. De acordo com o CEO da Ceptis, Philippe Ryser, a iniciativa também contribui para a autorregulação do setor, combatendo práticas de comercialização de sementes piratas, que prejudicam a produtividade e a segurança alimentar dos brasileiros. "Estamos implementando um modelo de negócio com uma referência de boas práticas. Isso reflete em todo o setor, que contará com um importante instrumento de combate ao comércio ilícito e à concorrência desleal e, principalmente, de proteção do consumidor".

Com atuação no Brasil e no exterior, o Grupo Era fornece sementes para os 26 Estados brasileiros e Distrito Federal - com representantes em 362 municípios e em todas as principais cidades do agronegócio brasileiro. A iniciativa do Grupo Era é resultado da parceria realizada ano passado entre a Ceptis Agro e a Associação dos Produtores de Sementes do Estado de Mato Grosso do Sul (Aprossul). Pela parceria, as empresas associadas aderem voluntariamente ao programa Semente Legal garantindo assim a rastreabilidade segura de todos os seus produtos. 

Durante o evento, o presidente do Grupo Era, Celso Pess Junior, explicou que, por ser um mercado recente, o negócio das sementes forrageiras está em constante evolução e que, por isso, ainda é necessário o entendimento de toda a sociedade sobre a importância da comercialização de sementes que atendam aos padrões legais, de segurança e de qualidade. “Essa iniciativa é fruto de grande esforço para aumentar a eficiência do setor, para evoluirmos neste processo. E todos que participarem desta iniciativa serão diferenciados, terão fortalecida a sua reputação”, afirmou.

Os produtores que aderem ao Semente Legal passam a contar com um grande diferencial no mercado, como comprovação da rastreabilidade segura, garantia de origem e qualidade promovida por uma empresa independente; TrustScore como diferencial competitivo; reconhecimento como produtores altamente qualificados; acesso a fundos de investimentos específicos; auxílio aos órgãos de fiscalização, além das facilidades de divulgação das marcas por meio dos canais Ceptis Agro, das associações e produtores participantes.

Tiago Pilon, coordenador do Programa Semente Legal da Ceptis, que também participou do lançamento, destacou que, além de todos os benefícios do Semente Legal, o monitoramento atesta a sustentabilidade no campo de forma contínua e dinâmica. “É fundamental que as pessoas saibam que o produtor que adere ao programa não está desmatando, que seu plantio não está oferecendo impactos ambientais. E hoje, mais do que nunca, precisamos nos atentar para a questão da sustentabilidade e para a imagem do Brasil no exterior, especialmente em relação ao desmatamento na Amazônia. Por isso, é fundamental destacar que essa iniciativa preserva o meio ambiente e ajuda a atrair investimentos internacionais”, explicou.

O vice-presidente do Grupo Era, Alexandre Auler Krabbe, complementou afirmando que a implantação de uma iniciativa como o programa Semente Legal não é apenas sustentável do ponto de vista ambiental, mas também social. “O mundo busca hoje ações adequadas no meio rural, e o mercado é globalizado, não estamos falando apenas de Brasil. O mundo busca iniciativas evolutivas”, avaliou. 

Semente Legal - Criado em 2017, o Programa Semente Legal é uma solução desenvolvida pelo grupo Ceptis, por meio da Ceptis Agro, empresa brasileira detentora do direito de exploração da tecnologia suíça para a promoção do agronegócio por meio de soluções tecnológicas integradas. A iniciativa atesta de forma ampla desde as sementes forrageiras, até as de uso comum e insumos agrícolas e veterinários. Desde 2017, o programa é utilizado na rastreabilidade segura e certificação da origem das sementes forrageiras produzidas pela Unipasto, associação parceira da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) com associados presentes nos estados da Bahia, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e São Paulo. Mais de 1,5 milhão de sacarias de sementes forrageiras dos associados da Unipasto já contam com o programa.

Autoria: Assessoria de Imprensa

  • Link:

Comente essa notícia

Publicidade
A Agroin Comunicação não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos. Todos os direitos reservados © Copyright 2019.