Publicado em 28/01/2022 00h10

Inflação pode afetar agricultores dos EUA

Meyer também disse que a demanda por milho e soja como matérias-primas para combustíveis renováveis, como etanol e biodiesel, deve permanecer estável em um futuro próximo.
Por: Leonardo Gottems

Os agricultores dos Estados Unidos precisam ser cautelosos com as crescentes pressões inflacionárias em seus resultados financeiros, afirmaram dois economistas na terça-feira na Cúpula de Combustíveis Renováveis de Iowa em Des Moines, IA. Seth Meyer, economista-chefe do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), disse durante uma mesa redonda focada nas perspectivas econômicas para a agricultura, que as pressões inflacionárias aumentaram os custos dos insumos agrícolas que os agricultores não poderão recuperar até venderem suas colheitas no outono. 

Meyer também disse que a demanda por milho e soja como matérias-primas para combustíveis renováveis, como etanol e biodiesel, deve permanecer estável em um futuro próximo. No entanto, afirmou, espera-se que a demanda de exportação de milho da China seja favorável aos preços agrícolas nos próximos meses, embora se espere que problemas na cadeia de suprimentos e outros impactos da pandemia de Covid19 também tenham uma grande influência nos preços agrícolas. 

Ernie Goss, presidente de economia regional da Creighton University em Omaha, NE, concordou com Meyer que a inflação será uma ameaça de longo prazo. “Um pouco de inflação é bom”, afirmou Goss, se permanecer na faixa de dois a três por cento. Uma inflação de 7%, alertou, não é boa para a agricultura ou qualquer outro segmento da economia. Goss aconselhou aqueles que precisam pedir dinheiro emprestado a fazê-lo agora com uma taxa fixa, não uma taxa ajustável, porque as taxas certamente aumentarão no futuro próximo. 

Os problemas da cadeia de suprimentos serão um dos principais fatores que afetarão os agricultores, disse Goss, juntamente com o aumento dos preços de fertilizantes e outros insumos agrícolas.