Publicidade
Publicado em 21/06/2022 06h34

Paraguai tem receio em relação ao milho

O mercado brasileiro manteve seus valores estáveis, conseguindo alguns negócios específicos.
Por: Leonardo Gottems

O milho paraguaio tem preços estáveis, mas conta com receio da logística, de acordo com informações divulgadas pela TF Agroeconômica. “Com preços voláteis durante o dia, mas trabalhando boa parte do dia pelo lado positivo, os vendedores apostam em melhorias nos valores do FAS, após observar os 255,00 USD/MT na quinta-feira", comenta.

“Mas esse movimento não aconteceu, e os compradores mais agressivos mais uma vez se limitaram a 255,00 U$D/MT, frustrando as intenções dos vendedores e dificultando o fechamento de negócios. De qualquer forma, o saldo da semana é de boa movimentação, basicamente aglomerado na quinta-feira, quando foram executadas as ordens a 255,00”, completa a consultoria.

O mercado brasileiro manteve seus valores estáveis, conseguindo alguns negócios específicos. “Os fornecedores continuam temendo a logística durante a safra, o que tem limitado bastante os negócios no país vizinho”, indica.

“Os preços das carnes fecharam o dia em alta ou inalterados, inclusive no mês, exceto o frango. O boi gordo voltou a subir 0,97% para R$ 323,60/@, aumentando o acumulado positivo do mês para 0,68%. O bezerro continuou a subir 0,57% para R$ 2.664,79, aumentando o acumulado positivo do mês para 3,84%”, informa.

“O frango fechou inalterado a R$ 7,63/kg, mantendo o acumulado negativo do mês a 0,65%. O suíno fechou novamente em forte alta de 3,87% a R$ 6,17kg, aumentando o acumulado positivo do mês para 41,51%, recuperando e ultrapassando as perdas do mês de maio”, conclui a TF consultoria agroeconômica, nesse início de semana, em relação aos preços da carne no mercado brasileiro.